top of page

Produtor de milho recebe de R$ 8 a R$ 10 a menos por saca por falta de armazenagem

Plano Safra será divulgado nesta terça (27) e expectativa é por ampliação em investimentos no Programa para Construção e Ampliação de Armazéns



O produtor de milho brasileiro que não conta com armazenagem amarga prejuízo de R$ 8 a R$ 10 por saca, segundo o comentarista do Canal Rural Mato Grosso e diretor-executivo da Abramilho, Glauber Silveira, que debateu o cenário do déficit da capacidade de estocagem de grãos no Brasil durante o Fórum Técnico Mais Milho, realizado em Cuiabá (MT) no dia 19 de junho. O evento aconteceu às vésperas da divulgação no Plano Safra 2023/2024, que deve ser lançado nesta terça-feira (27) pelo Ministério da Agricultura.

"O Brasil precisa de um Plano Safra que traga R$ 15 bilhões de investimento para combater o déficit na capacidade estática de estocagem. Há uma importância de se ter um programa mais robusto de armazenagem", defende Silveira.


Paulo Bertolini, diretor da Granfinale Sistemas Agrícolas e diretor da Abramilho, alerta que no Brasil apenas 15% da armazenagem de grãos está dentro das propriedades rurais, volume muito menor do que o praticado nos Estados Unidos, que chega próximo a 70%. "O Brasil enfrenta um déficit de mais de 115 milhões de toneladas na capacidade de armazenagem nesta safra", completa.


Plano Safra


O Plano Safra 2023/2024 vigora a partir de 1º de julho e a expectativa é de que os financiamentos nesta edição devem ultrapassar R$ 400 bilhões, conforme já adiantou Carlos Fávaro, ministro da Agricultura. "Esperamos que as linhas de crédito voltadas para o armazenamento de grãos sejam expandidas nesta edição do plano para enfrentar o déficit crescente diante de safras recordes", completa Bertolini.


Como usar o Plano Safra para investir em Armazenagem


O Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) do Plano Safra surgiu em 2013 e tem sido importante ferramenta de apoio à ampliação de armazéns de grãos no Brasil. Na safra 2022/2023, os recursos foram na ordem R$ 5,13 bilhões com taxas de juros são de 7% ao ano para investimentos relativos à armazenagem com capacidade de até 6 mil toneladas, e de 8,5 % ao ano para os demais investimentos. O prazo de reembolso foi de até 12 anos, com carência de até 3 anos. A expectativa é que nesta safra, o volume de investimentos disponíveis seja maior.

Os recursos podem ser aplicados em projetos de construção, ampliação, reforma ou modernização de armazéns destinados à guarda de grãos, frutas, tubérculos, bulbos, hortaliças, fibras e açúcar, beneficiando produtores rurais pessoa física e jurídica e cooperativas de produtores rurais.


Para saber como acessar os recursos do PCA na sua propriedade rural, consulte um de nossos especialistas pelo WhatsApp.

28 visualizações0 comentário

Comentarios


124034.png
bottom of page